Voz do MS

Política

“Não posso desonrar contratos”, diz Trad sobre reajuste da tarifa

Redação

[Via Correio do Estado]

O prefeito de Campo Grande, Marcos Marcello Trad (PSD), afirmou nesta quinta-feira (6), que não pode interferir em um contrato legal, aprovado por órgãos de controle (OAB, Ministério Público e Tribunal de Contas) e que foi assinado em período anterior a sua gestão, referindo-se aos termos de reajuste anual da tarifa de transporte coletivo, fixado em 6,76% em 2018.

“O documento foi aprovado em 2012, com vigência de 20 anos, reajuste anual e revisão de cinco em cinco anos. Não posso desonrar o contrato ou descumpri-lo, está fora da minha alçada como prefeito. Além disso, os índices foram examinados e aprovados por um corpo técnico e votado por um conselho, do qual faz parte o fórum dos usuários de transporte coletivo”, argumenta o chefe do Executivo municipal.

Trad esclarece que desde o início da atual administração os reajustes anuais foram de 4,23% em 2017 e 6,76% para 2018, os menores desde 2014, segundo ele.

“Os fatores que influenciam no percentual de aumento são o aumento do óleo diesel, reajuste dos motoristas, Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) e as condições da frota de ônibus em atividade”, pontua. Em 2014 o aumento foi de 11,11%, em 2015 chegou a 8,33% e em 2016 o índice foi de 9,23%.

Ainda de acordo com o chefe do Executivo Municipal, seria irresponsabilidade de sua parte dizer que não aceitaria o aumento e adotar uma atitude populista em relação a situação.

“Se eu tomasse posição contrária seria cômodo para mim, no entanto, extremamente irresponsável. O consórcio entraria com uma ação na justiça e ganharia por liminar, e sabe o que significa isso? Improbidade administrativa já que posso somente questionar o contrato e não descumpri-lo”, destaca.

Outra informação divulgada por Marcos Trad é que a frota do consórcio Guaicurus é de 568 ônibus, dos quais 513 estão em circulação. Sobre pontos de ônibus, existem quase quatro mil em Campo Grande, no entanto, há uma defasagem de coberturas em 1.300.

Comentários

Últimas notícias