Voz do MS

Geral

Reforma de unidades, reforço nas equipes e novos investimentos vão ampliar atendimento na saúde

Redação

Estratégias de ampliação e fortalecimento da Atenção Primária, reforço de novos profissionais, habilitações e qualificações de unidades e serviços, além de maior investimento na Média e Alta Complexidade, projetam um ano promissor para a saúde pública de Campo Grande. Através da reorganização e implementação de políticas públicas e ações estratégicas estabelecidas e executadas ao longo de 2019, em especial no último semestre, os avanços são visíveis, considerando a melhoria na qualidade da assistência prestada à população campo-grandense.

Em 2019, Campo Grande ganhou quatro novas unidades de saúde: UBSFs Dom Antônio Barbosa, Zé Pereira, Cristo Redentor e Arnaldo Estevão de Figueiredo, que se somam a outras quatro inauguradas nos últimos três anos, totalizando oito unidades novas já entregues pela administração do prefeito Marquinhos Trad.

Outras quatro unidades: USBSFs Jardim Seminário, Alves Pereira, Cohab e Aero Itália foram completamente reformadas.

Para  este ano, a previsão é de que outras nove unidades recebam melhorias, por meio de uma parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), são elas: UBS Coophavilla, UBSF Moreninha, UBS Tiradentes, UBSF Vida Nova, UBSF Noroeste, UBSF Parque do Sol, UBSF Itamaracá, UBSF Oliveira e UBSF Batistão.

Estas unidades foram escolhidas para integrar o Laboratório de Inovação da Atenção Primária Forte (APS-Forte) o que, além da reforma, vai assegurar a ampliação e melhoria na qualidade do atendimento, por meio da inserção de profissionais capacitados neste novo modelo de assistência.

O secretário municipal de Saúde, José Mauro Filho, explica que o objetivo principal do projeto é criar um laboratório de residência médica para qualificar os serviços na Atenção Primária.

“A medida tem como objetivo fortalecer os serviços prestados à população, ampliando e qualificando o monitoramento dos indicadores na Atenção Primária à Saúde. Todas estas estratégias devem se somar as ações já implementadas no município para melhorar a qualidade da assistência prestada à população”, complementa.

IMG_7393 (Copy)O projeto prevê ainda o fortalecimento das ações de vigilância em saúde, aquisição de equipamentos, realização de oficinas para uso racional de medicamentos, desenvolvimento de pesquisas de avaliação da Atenção Primária, implantação de dois observatórios para apoiar o trabalho de equipes de Saúde da Família, além da implantação do serviço de telemedicina.

Mais profissionais

Além da adesão de novos médicos e profissionais da equipe multiprofissional previstos no projeto da Fiocruz, grande parte do déficit hoje existente deve ser suprido através da convocação dos aprovados no concurso publicado realizado neste ano, o maior da história da saúde de Campo Grande, com 633 vagas e mais de 17 mil inscrições. As convocações já começaram a ser realizadas na primeira quinzena de dezembro.

Saúde na Hora

Campo Grande foi à primeira cidade do País a ter uma unidade do programa Saúde na Hora em funcionamento.  A estratégia adotada pelo Ministério da Saúde para ampliar o acesso à Atenção Primária prevê um aumento no aporte financeiro para as unidades que atendam os critérios pré-estabelecidos no programa, sendo o principal deles manter a unidade funcionando em horário estendido.

Foram habilitadas e homologadas no programa, 25 das 71 unidades existentes atualmente no município. Ainda em 2020, elas devem estar funcionando nos moldes do programa.

Habilitações e qualificações

A partir deste ano, a expectativa é de que o município passe a contar com aporte financeiro maior do Ministério da Saúde para o custeio, o que foi possível através da habilitação e qualificação de unidades de saúde e serviços, como as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), Centros de Atenção Psicossocial (Caps), Serviço de Atenção Domiciliar (SAD) e Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).

As  UPAs, por exemplo, passaram por um  longo processo de adequação para a qualificação. Além de melhora na estrutura das unidades, as equipes também foram qualificadas, assegurando assim uma melhoria na assistência.

O recurso extra deve proporcionar um alívio para que o município invista em outras áreas, sendo possível, por exemplo, contratar mais leitos hospitalares, ampliar a oferta de cirurgias e exames.

A Prefeitura também melhorou a frota de ambulâncias, que foi totalmente renovada,
sendo entregues 13 novas viaturas, adquiridas por meio de convênio com o Ministério da Saúde e com recursos próprios da prefeitura.

Via CGNotícias

Comentários

Últimas notícias