Voz do MS

Capital

Desinformação ainda gera procura de Peg Fácil interditado da Afonso Pena

Redação

[Via Correio do Estado]

“Estou na metade do dia e minha garganta já está doendo de tanto falar a mesma coisa.”

De maneira curta e grossa, o segurança terceirizado colocado pelo Consórcio Gaicurus no Peg Fácil da Avenida Afonso Pena, no sentido Centro/Parque dos Poderes, dá a tônica da quantidade de vezes em que precisou orientar usuários do transporte coletivo de Campo Grande sobre a interdição total da parada da principal via da cidade, em frente à Praça Ary Coelho.

A continuidade das obras do Reviva Centro deve fechar hoje, às 9h, totalmente as três pistas da via e um reordenamento viário será feito no Centro de Campo Grande. A previsão é que a interdição dure pelo meno 90 dias – contando com a possibilidade de chuvas no período.

Segundo a Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran), os usuários do transporte coletivo que usufruem das linhas 051B /052/ 081/ 082/ 084/ 086 e 492a devem seguir para a Rua 7 de setembro, o ponto foi remanejado para ao lado do Juizado Central.

Até aí, tudo bem. Mas faltou informar melhor justamente quem mais usa essas linhas.

De acordo com o vendedor ambulante no entorno do ponto desativado, Pedro Augusto, 43 anos, nem mesmo a interdição total do trânsito nas três faixas da Afonso Pena evitou com que alguns dos passageiros insistem no embarque no local, mesmo sem nenhum veículo sequer passando pelo trecho até as ruas 14 de Julho e Treze de Maio. “O pessoal não foi bem informado, acontece isso mesmo. Deveriam ter feito um trabalho melhor de divulgação”, disse.

Segundo ele, os pequenos cartazes informando da desativação da parada, além do próprio segurança terceirizado, só foram colocados no local nesta manhã. Quem não acompanhou as informações divulgadas por, entre outros, a imprensa.

Era o caso da aposentada Celina Conegones, 72 anos, moradora do Coophavila II, na região sul da Capital, flagrada pela reportagem no momento em que pedia orientações ao prestador de serviços do Consórcio Guaicurus. “Eu não assisto televisão, não leio nada e quando venho para o Centro, é de carona”, disse.

Melhor sorte teve o vendedor Clayton da Costa, 28, que justamente por acompanhar o noticiário evitou o desgaste de andar no sol atrás do ponto de ônibus correto. “Já sabia com antecedência”, informou.

“Estou na metade do dia e minha garganta já está doendo de tanto falar a mesma coisa.”

De maneira curta e grossa, o segurança terceirizado colocado pelo Consórcio Gaicurus no Peg Fácil da Avenida Afonso Pena, no sentido Centro/Parque dos Poderes, dá a tônica da quantidade de vezes em que precisou orientar usuários do transporte coletivo de Campo Grande sobre a interdição total da parada da principal via da cidade, em frente à Praça Ary Coelho.

A continuidade das obras do Reviva Centro deve fechar hoje, às 9h, totalmente as três pistas da via e um reordenamento viário será feito no Centro de Campo Grande. A previsão é que a interdição dure pelo meno 90 dias – contando com a possibilidade de chuvas no período.

Segundo a Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran), os usuários do transporte coletivo que usufruem das linhas 051B /052/ 081/ 082/ 084/ 086 e 492a devem seguir para a Rua 7 de setembro, o ponto foi remanejado para ao lado do Juizado Central.

Passageios sem informação ainda procuraram parada interditada n ponto de ônibus mais tradicional da cidade 

Até aí, tudo bem. Mas faltou informar melhor justamente quem mais usa essas linhas.

Vendedor ambulante no entorno do ponto desativado, Pedro Augusto, 43 anos, nem mesmo a interdição total do trânsito nas três faixas da Afonso Pena evitou com que alguns dos passageiros insistem no embarque no local, mesmo sem nenhum veículo sequer passando pelo trecho até as ruas 14 de Julho e Treze de Maio. “O pessoal não foi bem informado, acontece isso mesmo. Deveriam ter feito um trabalho melhor de divulgação”, disse.

Segundo ele, os pequenos cartazes informando da desativação da parada, além do próprio segurança terceirizado, só foram colocados no local nesta manhã. Quem não acompanhou as informações divulgadas por, entre outros, a imprensa.

Era o caso da aposentada Celina Conegones, 72 anos, moradora do Coophavila II, na região sul da Capital, flagrada pela reportagem no momento em que pedia orientações ao prestador de serviços do Consórcio Guaicurus. “Eu não assisto televisão, não leio nada e quando venho para o Centro, é de carona”, disse.

Melhor sorte teve o vendedor Clayton da Costa, 28, que justamente por acompanhar o noticiário evitou o desgaste de andar no sol atrás do ponto de ônibus correto. “Já sabia com antecedência”, informou.

PRAZOS

De acordo com a assessoria de imprensa do Reviva Centro, a liberação do trecho da Rua 14 de Julho entre a Avenida Afonso Pena e a Rua Barão do Rio Branco, que deveria ter sido feita ontem, teve um atraso porque equipes vão limpar o cruzamento, uma vez que, com a chuva da tarde, o local ficou sujo de barro.

A quadra da Rua 14 de Julho – entre a Rua 15 de Novembro e Avenida Afonso Pena – deve permanecer interditada para obras de infraestrutura elétrica.

Ainda conforme a assessoria,  o cruzamento que será fechado hoje e ficará totalmente interditado passará por obra de instalação das infraestruturas, drenagem e elétrica.

Durante o mês de fevereiro, além dos locais que estão fechados para trânsito de veículos, também será bloqueada a Avenida Mato Grosso, sentido centro-bairro, para a execução de drenagem.

De acordo com a assessoria de imprensa do Reviva Centro, a liberação do trecho da Rua 14 de Julho entre a Avenida Afonso Pena e a Rua Barão do Rio Branco, que deveria ter sido feita ontem, teve um atraso porque equipes vão limpar o cruzamento, uma vez que, com a chuva da tarde, o local ficou sujo de barro.

A quadra da Rua 14 de Julho – entre a Rua 15 de Novembro e Avenida Afonso Pena – deve permanecer interditada para obras de infraestrutura elétrica.

Durante o mês de fevereiro, além dos locais que estão fechados para trânsito de veículos, também será bloqueada a Avenida Mato Grosso, sentido centro-bairro, para a execução de drenagem.

Comentários

Últimas notícias